terça-feira, 26 de novembro de 2013

Mãe que doou o filho só receberá visita em presídio após 10 dias

A jovem que forjou o sequestro do próprio filho e doou o bebê para um casal do Rio de Janeiro só poderá receber visita após dez dias. Renata Soares da Costa, de 19 anos, foi presa nesta terça-feira (26)e encaminhada para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) Centro-Sul, em Belo Horizonte. Segundo da Secretaria de Defesa Social (Seds), este é o período padrão do sistema carcerário.
Durante a madrugada, o pai da criança, o vigilante Jhoney Lima Santos Nulhia, de 24 anos, desembarcou o filho no aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, o superintendente de Investigações e Polícia Judiciária da Polícia Civil, delegado Jeferson Boltelho, decretou a prisão em flagrante da mãe após a chegada à capital. Ela ficará detida pelo menos até a conclusão do inquérito, que deve durar até 30 dias. Nos próximos dias, ela vai passar por exames psicológicos para comprovar que ela está com depressão pós-parto ou algum outro problema de saúde.
 
O quadro depressivo que teria conduzido a mulher a forjar o sequestro do filho divide opinões de especialistas. A rejeição maternal, quando causada pela repressão pós-parto, cientificamente chamada de psicose puerperal, segundo Gislene Valadares, psiquiatra da Saúde Mental de Mulheres do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pode atingir de 10% a 20% das mulheres após o parto. 
 
A professora de psicologia da PUC-MG, Aline Aguiar Mendes acrescenta dizendo que a doença se apresenta em níveis diferentes de intensidade e tempo. “O quadro pode variar de um simples desânimo ou ansiedade, medos, sensação de estar falhando como mãe e sentimentos ambivalentes em relação ao bebê, como se não conseguisse gostar dele. Em alguns casos mais graves, a mãe pode agredi-lo ou ainda atentar contra a sua vida”, alerta, destacando que a melhor cura é o apoio dos familiares e a ajuda de um profissional. 
 
Apesar de a ciência explicar a depressão pós-parto e fazer entender que ela é um fenômeno, na outra ponta da análise está o Direito Penal, que define como crime sujeito à detenção o abandono de incapaz e o assassinato de recém-nascidos, explica Sérgio Leonardo advogado criminalista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Segundo ele, mesmo após exames confirmar o período puerperal, a mulher pode cumprir medida de segurança em um hospital psiquiátrico ou sofrer uma redução de pena. 
 
Renata foi autuada por comunicação de falso crime e abandono de incapaz. Se condenada, por pegar até 4 anos de detenção.

0 comentários:

Postar um comentário

CONTATO!

Administrador:
.::ESTEVES::.
E-mail:
blogdoesteves1@gmail.com

Twitter Blog do Esteves.

Sede Campestre do CSCS Betim.

Seguidores

Postagens populares

Tecnologia do Blogger.

468x60px

Redes Sociais

Posts em Destaque